Formação acadêmica no currículo

Formação acadêmica no currículo

A maioria dos empregadores deixa claro no anúncio de uma vaga de emprego o nível de educação que espera dos candidatos. Por isso, é muito importante incluir informações sobre sua escolaridade e formação acadêmica no currículo. Esse costuma ser um critério essencial em qualquer seleção. No entanto, a forma como se deve descrever a escolaridade no currículo costuma gerar muitas dúvidas nos candidatos.

Onde colocar o nível de educação e formação no currículo? Qual ordem deve ser respeitada? O que fazer em caso de baixa escolaridade? Essas são todas perguntas recorrentes, dependendo do perfil do candidato. Neste artigo, procuramos responder às dúvidas mais comuns, para ajudá-lo(a) a descrever corretamente sua formação acadêmica no currículo.

Onde mencionar sua formação acadêmica no currículo

Não há uma regra padrão para o local onde se deve incluir a formação acadêmica no currículo. Você pode colocar seu nível de educação logo após a seção "Experiência profissional" ou antes dela. A escolha dependerá da quantidade e da qualidade das experiências profissionais que você pretende incluir no currículo.

O mesmo se aplica ao seu nível de escolaridade. Quanto melhor ele for, em comparação com a sua experiência profissional, mais sentido fará colocá-lo antes no currículo. A regra aqui é simples: procure chamar uma atenção maior para o que você tem de melhor.

Se você tiver pouca experiência profissional

Caso você tenha pouca experiência profissional, o mais indicado é iniciar o currículo com a seção Escolaridade ou Formação ou Educação (todas essas opções são comuns e podem ser usadas para nomeá-la). Essa seção deve ficar logo após seus dados pessoais.

O que pode ser considerado um profissional com pouca experiência? Esse é um conceito subjetivo, mas podemos considerar pouco experiente quem não tem nenhuma experiência na área específica na qual pretende trabalhar. Se você teve apenas um emprego na área e por poucos meses, também pode ser considerado inexperiente.

Se você for um profissional experiente

Se você já tiver trabalhado por pelo menos um ano em algo relacionado à vaga à qual está se candidatando, pode se considerar um profissional com certa experiência. Sugerimos que, nesse caso, você privilegie essa seção, colocando-a logo após seus dados pessoais e antes da sua formação acadêmica no currículo.

O que interessa ao empregador

Quando falamos em escolaridade, a formação acadêmica no currículo tem, logicamente, mais importância que o ensino fundamental e médio do candidato, se você está se candidatando a uma vaga que exige ensino superior. Por isso, nesse caso, o mais indicado é incluir informações sobre sua formação de base apenas se você não tiver educação de nível superior.

Sempre inclua informações sobre os graus de ordem superior que você obteve. Isso inclui não apenas cursos de graduação, mas também outros graus acadêmicos que sejam relacionados à vaga pretendida. Mestrados, doutorados, especializações e MBAs realizados devem ser incluídos no currículo. Eles devem ser listados em ordem de relevância, quanto aos graus obtidos. Ou seja, um doutorado deve ser mencionado antes de um curso de mestrado, e assim por diante.

Formação incompleta

Se você iniciou um curso e abandonou ou trancou, ainda assim é aconselhável mencioná-lo no currículo, desde que ele tenha relação com a vaga.

Por exemplo, digamos que você iniciou uma graduação em Psicologia, mas a interrompeu no terceiro semestre. Em seguida, começou e concluiu um curso técnico em Recursos Humanos. Se você está se candidatando para uma vaga na área de RH, é mais do que válido mencionar não só o curso técnico realizado, mas também a graduação que você deixou pelo caminho. Afinal, ela tem uma relação clara com a vaga, e o empregador pensará que o que você aprendeu naqueles três semestres pode ser útil em sua função.

Mesmo que você não tenha iniciado outro curso em seguida, como no exemplo anterior, é importante mencionar o curso não concluído no currículo, dependendo da vaga. Assim, você demonstra seu interesse em estudar. Além do mais, mesmo não tendo concluído o curso naquele momento, há sempre uma possibilidade de você retornar aos estudos.

Caso você não tenha terminado o ensino médio ou fundamental, seja honesto(a) sobre sua escolaridade no currículo. Informe o nome da escola e o período em que estudou nela e em qual ano você parou, deixando claro que não houve conclusão do curso. Nem todas as vagas de emprego exigem nível médio ou fundamental completo. O importante é você colocar as informações corretas a seu respeito.

Informações sobre sua escolaridade no currículo

Você deve incluir, para cada entrada na seção Escolaridade, os nomes do curso, da instituição e do grau obtido (caso seja de nível superior). É recomendável, também, mencionar pelo menos o ano de conclusão do curso.

Você ainda poderá incluir dados mais específicos sobre cada item, como: área de estudo, estágios realizados, título da dissertação ou tese apresentada etc. A decisão sobre mencionar esse tipo de informação pode depender da quantidade de experiências profissionais listadas e do nível de formação acadêmica no currículo.

Resumindo, as informações obrigatórias sobre escolaridade no currículo são:

  • Nome da instituição
  • Grau obtido (ex. bacharel, especialista, mestre, etc.)
  • Nome do curso

Também podem ser mencionados:

  • Ano ou data de conclusão (esperada, caso você ainda cursando)
  • Ano ou data de início
  • Cidade/país da instituição de ensino, caso ela não seja muito conhecida
  • Prêmios ou outros reconhecimentos acadêmicos
  • Títulos e/ou descrições de trabalhos de conclusão, dissertação, tese ou outros trabalhos importantes que você realizou

Se você tiver pouca experiência de trabalho, adicionar mais detalhes sobre a sua trajetória acadêmica pode ser uma boa forma de expandir o currículo. Mas tome cuidado: um currículo não deve passar de 2 páginas. Mantenha a objetividade e escolha informações que sejam realmente relevantes para a vaga.

Onde incluir outros cursos

É importante mencionar outros cursos em seu currículo, levando em consideração a relevância deles. Por exemplo, um curso de padeiro não será importante se você estiver se candidatando para um emprego de vendedor de automóveis. Por outro lado, um cozinheiro deve mencionar um curso desse tipo como formação no currículo.

Você pode incluir cursos relevantes em seu currículo, quando fogem do percurso educacional tradicional, em uma seção diferente, logo após a principal. Normalmente, utiliza-se um título como "Cursos e especializações" ou "Outros cursos". Ao fazer essa divisão entre sua educação formal e outros cursos relevantes, você estará tornando seu currículo mais organizado e consistente.

Finalmente

Como ocorre em outras partes do currículo, você deve descrever sua formação acadêmica no currículo tendo em vista valorizá-la para a vaga pretendida. Seu currículo deve fazer sentido para o recrutador ou empregador. Portanto, selecione as informações e escolha a forma mais apropriada de contar a sua história. Essa tarefa exige inteligência e bom senso por parte do candidato, mas também uma boa dose de autoconhecimento. Boa sorte!

Fique à frente da concorrência

Faça com que as suas inscrições de emprego se destaquem dos outros candidatos.