Mencionar filhos no currículo: sim ou não?

Mencionar filhos no currículo: sim ou não?

Os filhos sempre exercem um papel central em nossas vidas e certamente têm um impacto sobre a rotina de qualquer indivíduo, inclusive do ponto de vista profissional. Afinal, os filhos não só influenciam nossos planos e prioridades na carreira, mas também trazem a necessidade de conciliar a jornada de trabalho com a atenção e o cuidado que eles requerem. Por isso, ter ou não filhos acaba sendo uma informação pessoal que, muitas vezes, os profissionais pensam em incluir no currículo.

No entanto, você deve ter em mente que seu currículo tem como foco suas qualidades, experiência, educação e outros aspectos que impactam diretamente a sua competência profissional. Por isso, não é necessário informar que você tem filhos. Por outro lado, há algumas situações em que isso pode funcionar a seu favor. Por isso, este artigo trata não apenas dos casos em geral, mas também das exceções em que você pode ver vantagem em incluir essa informação em seu currículo.

Maternidade/paternidade e a vida profissional

Como já dissemos, ter filhos que dependem de você é algo que influencia muito a sua vida. Isso diz respeito não apenas ao seu tempo livre, que você dedica em grande parte a cuidar dos seus filhos, mas também na forma como você administra sua rotina de trabalho.

Alguns aspectos de ordem prática incluem a necessidade de levar ou buscar os filhos na escola, ir a reuniões de pais e eventos, passar mais tempo com eles durante as férias escolares, cuidar deles quando estão doentes, levá-los ao médico ou ao dentista quando surge algum imprevisto ou mesmo para consultas de rotina. Isso para não falar na fase de amamentação, por exemplo. Isso pode tornar sua rotina menos flexível para horas-extra e, em alguns casos, pode gerar a necessidade de tirar licenças com alguma frequência.

Além disso, o fato de ter filhos pode impactar a forma como você vê sua atuação profissional em termos de logística e plano de carreira. Muitas pessoas preferem trabalhar meio-período ou em home office para ficar mais próximos dos filhos. Outras acabam dispensando posições de liderança ou com maior exigência para poder se dedicar mais aos filhos. Obviamente, essas são escolhas que dependem de cada indivíduo. Não existe uma fórmula ideal para conciliar a carreira e a vida profissional, e você pode se sair muito bem em ambas, simultaneamente, sem abrir mão do que considera importante.

Em todo caso, seja qual for a forma como você deseja conciliar sua carreira e sua vida pessoal, não é preciso mencionar em seu currículo que você tem filhos.

Filhos no currículo: por que não mencionar

Um currículo deve ser o mais breve e objetivo possível. As informações pessoais obrigatórias em seu currículo são seu nome e sobrenome, local de residência e dados para contato (número de telefone e endereço de e-mail). Tudo o mais é facultativo e só deve ser incluído na seção Dados Pessoais (que abre o currículo) se houver boas razões para isso. Por exemplo, se você estiver concorrendo a uma vaga de motorista, faz sentido mencionar informações sobre sua habilitação. Quanto ao fato de você ter filhos, normalmente não haverá valor para o empregador saber isso, salvo casos excepcionais.

Seja qual for a forma como você deseja conciliar sua carreira e sua vida pessoal, não é preciso mencionar em seu currículo que você tem filhos.

Se você estiver se candidatando a um emprego que possa gerar algum conflito com os horários e as rotinas que você tem com seus filhos, deixe para tratar dessa questão em uma eventual entrevista. Não mencione nada a respeito em seu currículo. Assim que você for convidado(a) para uma entrevista, a sua situação em casa e os cuidados com os filhos, em paralelo ao trabalho, poderão ser discutidos de forma mais objetiva e clara para ambas as partes.

Negociando com a empresa

Se o fato de você ter filhos pode vir a afetar de alguma forma a sua rotina de trabalho, o ideal é tratar dessa questão durante a entrevista de emprego. Afinal, você terá a oportunidade de mostrar, na mesma conversa, o quanto é qualificado(a) para a vaga e como compensa para a empresa investir em você. Ao mesmo tempo, o tema pode surgir naturalmente, a partir de uma pergunta do recrutador ou empregador.

Portanto, se você tiver que negociar para chegar (e sair) um pouco mais tarde (ou mais cedo) do trabalho, essa será uma oportunidade de deixar claras as razões para isso. Obviamente, há muitos empregos onde isso não é possível. No entanto, em muitos casos, você poderá conseguir negociar um horário adequado ou qualquer outro benefício que pareça justo e razoável para a empresa.

Curiosidade

As mães costumam ser mais afetadas pelas dificuldades de conciliar o trabalho com o cuidado dos filhos. Isso se aplica principalmente àquelas que estão retornando ao trabalho logo após ter um filho. Segundo uma pesquisa realizada no Brasil em 2019, 25% das novas mães gostariam de trabalhar em home office após o fim da licença-maternidade e 24% delas gostariam de contar com creche no trabalho. Muitas empresas adotam políticas nesse sentido, atualmente, então você pode aproveitar para tirar dúvidas a respeito no momento de uma entrevista de emprego.

Quando vale a pena citar os filhos no currículo

Como já falamos, também há contextos em que colocar filhos no currículo pode beneficiar você. Esse é o caso, por exemplo, de empregos em que se trabalha diretamente com crianças. Algumas profissões que se encaixam nessa categoria são, entre outras, as seguintes:

  • Professor
  • Pediatra
  • Psicólogo infantil
  • Recreacionista

Obviamente, você não precisa ter filhos para se sair bem nessas profissões. No entanto, muitos empregadores entendem que o fato de ter filhos faz com que um(a) profissional esteja mais acostumado(a) a lidar com crianças e, como consequência, tenha maior facilidade nesse sentido. Ou seja, você pode usar isso a seu favor!

Como mencionar filhos no currículo

Caso você opte por colocar em seu currículo que tem filhos, há pelo menos duas formas de fazer isso. Você pode, por exemplo, incluir essa informação em uma linha na seção dedicada aos seus dados pessoais, mencionando também seu estado civil:

Dados Pessoais

Joana Silveira de Matos

Casada, dois filhos

Porto Alegre - RS

(51) 99999-9999

joana.silveira@email.com

Você também pode mencionar que tem filhos para enfatizar certas habilidades. Isso pode ser feito na seção dedicada especificamente às suas habilidades pessoais ou em seu resumo profissional logo no início do currículo. Desta forma, você não estará simplesmente mencionando essa informação de forma solta, mas vinculando-a a algo que valoriza seu perfil profissional. Você pode relacionar o fato de ter filhos a habilidades como resiliência, empatia, paciência e flexibilidade, por exemplo.

Justificando uma lacuna em seu currículo

Se você deixou de trabalhar por um certo período de tempo por causa de uma gravidez ou para cuidar dos seus filhos, você também pode mencionar isso no currículo para justificar uma lacuna em seu histórico profissional. No entanto, tenha em mente que você não é obrigado(a) a fazer isso em seu currículo, podendo deixar para mencionar essa informação posteriormente, caso passe por uma entrevista de emprego. Mencione essa informação no currículo apenas se julgar necessário.

Gravidez e planos de ter filhos

Infelizmente, ainda há muito preconceito no mercado de trabalho brasileiro em relação à gravidez. Obviamente, isso afeta principalmente as mulheres, já que muitos empregadores deixam de contratar mulheres para não ter de arcar com benefícios obrigatórios por lei, como a licença-maternidade, caso uma funcionária venha a ficar grávida.

Portanto, evite falar sobre seus planos de ter filhos durante um processo seletivo. Durante uma entrevista de emprego, por exemplo, você não é obrigado(a) a responder perguntas sobre o seu estado civil, orientação sexual, religião ou planos de ter filhos, entre outras questões que possam gerar discriminação por parte da empresa. As questões devem se resumir a tópicos que sejam relevantes para avaliar sua competência e adequação para o cargo ao qual você está se candidatando.

Por outro lado, você não deve esconder uma gravidez durante um processo seletivo. Essa informação não deve ser incluída em seu currículo, mas é de bom tom mencioná-la durante uma entrevista de emprego. Inclusive, ao realizar um exame admissional, você terá de responder a respeito.

Finalmente

Os filhos são muito importantes em nossas vidas e trazem desafios em diversos sentidos, inclusive na hora de conciliar a vida pessoal e profissional. No entanto, você não deve dar a esse aspecto uma dimensão desnecessária ao preparar um currículo e candidatar-se a uma vaga de emprego. Pelo contrário, valorize apenas os aspectos favoráveis da maternidade e da paternidade, em casos específicos. Afinal, ter filhos pode ser um fator positivo e torná-lo(a) um(a) profissional melhor por diversos motivos.

Fique à frente da concorrência

Faça com que as suas inscrições de emprego se destaquem dos outros candidatos.