Naturalidade no currículo: incluir ou não?

Naturalidade no currículo: incluir ou não?

A naturalidade normalmente entra na categoria de informações pessoais que costumam gerar dúvidas nas pessoas na hora de preparar um currículo profissional. Afinal, com a exceção de dados como o nome, o local onde se mora e alguns meios para contato, as demais informações pessoais podem não ser relevantes para o recrutador. Em alguns casos, inclusive, a presença delas pode até prejudicar o candidato a uma vaga de emprego. Esse é o caso da informação referente à naturalidade do profissional.

Será que interessa para o recrutador ou empregador saber onde você nasceu? Mencionar sua naturalidade no currículo tende a aumentar ou a diminuir suas chances de conseguir um emprego? Essas são questões básicas que, quando respondidas com objetividade, podem ajudá-lo(a) a tomar a decisão certa em relação à inclusão deste dado em seu currículo.

Em todo caso, é importante entender desde já que não é obrigatório incluir sua naturalidade no currículo. Neste artigo, você entenderá como e quando mencionar sua naturalidade de forma que favoreça, efetivamente, sua candidatura.

O que é naturalidade

Sua naturalidade é o local onde você nasceu. Ou seja, o lugar de onde você é natural. Normalmente, quando se menciona a naturalidade em um processo seletivo ou em algum outro procedimento burocrático, ela diz respeito apenas ao país onde a pessoa nasceu. No caso de um currículo profissional, portanto, bastaria mencionar que sua naturalidade é brasileira ou qualquer outra naturalidade estrangeira que se aplique ao seu caso.

Naturalidade vs. Nacionalidade

Muitas pessoas confundem naturalidade e nacionalidade. Afinal, no Brasil, a maioria da população tem naturalidade e nacionalidade brasileiras. No entanto, isso não é uma regra. A nacionalidade de uma pessoa pode não refletir o local onde ela nasceu (ou seja, a sua naturalidade).

Por exemplo, um filho de pais estrangeiros nascido no Brasil pode não adotar a nacionalidade brasileira, mesmo tendo esse direito, mas apenas a nacionalidade do país dos seus pais. Dependendo das leis do outro país, ele pode, também, adotar ambas as nacionalidades. Já um filho de brasileiros pode ter nascido em outro país (portanto, ter naturalidade estrangeira), mas preservar exclusivamente ou de modo complementar sua nacionalidade brasileira.

Em regra, a naturalidade de uma pessoa não pode ser modificada, já que não se pode nascer de novo. Já uma nacionalidade pode ser obtida ou alterada por diversos motivos, como a origem familiar do indivíduo, processos de imigração ou representação em eventos esportivos, entre outros casos.

Ambas as informações podem ser relevantes para o recrutador ou empregador em determinadas situações. Normalmente, a nacionalidade tem um impacto maior sobre a situação do profissional em questões como a permissão para trabalhar em um país. Já a naturalidade pode indicar o idioma nativo do profissional, entre outros aspectos culturais relevantes no mercado profissional.

Você pode omitir sua naturalidade no currículo

Tanto a sua naturalidade quanto a sua nacionalidade podem ser omitidas do seu currículo, a não ser que mencioná-las possa ajudar de alguma forma a sua candidatura. Isso fica mais óbvio, principalmente, se você tem naturalidade e nacionalidade brasileiras e está à procura de um emprego no Brasil.

Como o Brasil não tem um grande contingente de imigrantes hoje em dia, os recrutadores presumem que o candidato a uma vaga de trabalho no país tenha nascido no Brasil, salvo informação contrária. Portanto, mencionar a naturalidade no currículo torna-se irrelevante e desnecessário.

Se você nasceu em outro país e está se candidatando a uma vaga no Brasil (ou vice-versa), a dúvida sobre mencionar ou não a naturalidade no currículo passa a fazer mais sentido. Neste caso, você continua não sendo obrigado(a) a mencionar sua naturalidade. No entanto, fazer isso ou não passa a depender também da vaga à qual você está se candidatando e das vantagens e desvantagens que vê em incluir ou não essa informação.

Desvantagens de mencionar a naturalidade

Embora seja proibida por lei qualquer forma de discriminação no acesso ao mercado de trabalho no Brasil, você deve estar ciente de que, infelizmente, isso pode ocorrer. Empresas podem discriminar profissionais nascidos em outros países por diversos motivos, como achar que eles não falam bem português ou que podem não se adaptar bem ao ambiente de trabalho devido a diferenças culturais. As motivações podem ser ainda mais grosseiras, incluindo dúvidas sobre a competência e a confiabilidade de profissionais nascidos em outros países.

Tanto a sua naturalidade quanto a sua nacionalidade podem ser omitidas do seu currículo, a não ser que mencioná-las possa ajudar de alguma forma a sua candidatura.

Em uma pesquisa realizada em 2011, em relação à desigualdade e discriminação de imigrantes no mercado de trabalho brasileiro, notou-se que trabalhadores argentinos e chilenos tendiam a ser discriminados positivamente, enquanto ocorria o inverso com os trabalhadores bolivianos, por exemplo. Em geral, os trabalhadores com origem em países vistos como inferiores ao Brasil, por razões econômicas ou sociais, seriam estigmatizados no mercado de trabalho. O contrário ocorreria com profissionais de países tidos como mais avançados.

No caso do Brasil, o preconceito no mercado de trabalho pode ocorrer não apenas se você tem naturalidade estrangeira, mas também se for nascido em outro estado. Esse é o caso, por exemplo, de profissionais das regiões norte e nordeste no centro e no sul do país.

Portanto, se você acha que corre esse risco, evite mencionar sua naturalidade no currículo. Lembre-se que, normalmente, a submissão do currículo é apenas a primeira etapa de um processo seletivo. Ou seja, você e o recrutador/empregador provavelmente terão a oportunidade de discutir essa questão futuramente, caso seja necessário.

Vantagens de mencionar sua naturalidade

Como falamos anteriormente, também existem situações em que informar a sua naturalidade no currículo pode ser vantajoso para a sua candidatura. Se você for um(a) professor(a) de língua estrangeira, por exemplo, mencionar que você é natural de um país em que esse idioma é nativo tende a causar uma boa impressão. Afinal, isso pode indicar que você é um falante nativo no idioma e, teoricamente, mais qualificado para ensiná-lo.

Logicamente, a relação entre naturalidade e fluência em um idioma não é relevante apenas no caso de candidatos a vagas para professores de língua estrangeira. Você pode se beneficiar de forma parecida em qualquer situação na qual haja exigência de um nível avançado, fluente ou nativo em um idioma estrangeiro.

Outro exemplo pode ser o de um profissional que, mesmo nascido e criado no Brasil, tenha ascendência estrangeira e nome e sobrenome que deixem dúvidas sobre sua naturalidade. Nesse caso, você pode deixar clara a sua naturalidade no currículo e eliminar qualquer dúvida na cabeça do recrutador.

Dica do especialista

A diversidade tem se tornado uma pauta cada vez mais importante no mercado de trabalho. Isso se deve não apenas a uma questão de consciência social por parte das empresas, mas também pela visão de que um ambiente diverso tende a gerar um retorno maior do ponto econômico. Por isso, muitas empresas buscam ativamente profissionais de outros estados ou regiões do país para os seus quadros, inclusive com processos seletivos exclusivos. Ao concorrer a uma vaga de emprego, tenha isso em mente. Se você acha que uma menção ao estado ou cidade onde você nasceu pode contar pontos a seu favor, não deixe de aproveitar essa oportunidade!

Finalmente

Fica claro, portanto, que você não precisa citar a sua naturalidade no currículo. No entanto, pode incluí-la em casos específicos, desde que veja vantagens claras ao fazer isso. Para cada aplicação a uma vaga de emprego, verifique se a informação sobre a sua naturalidade é útil ou, pelo contrário, pode prejudicar sua candidatura. Tome a decisão mais inteligente e boa sorte!

Fique à frente da concorrência

Faça com que as suas inscrições de emprego se destaquem dos outros candidatos.